Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Abusos na infância podem deixar marcas no DNA, diz estudo - Pássaro da Ilha FM 103,3 » Todo mundo, tá ligado!


No comando: Madrugada 103

Das 01:00 às 04:59

No comando: Sertanejo Bom Demais

Das 05:00 às 07:59

No comando: Domingão Sertanejo

Das 05:00 às 19:59

No comando: Sábadaço

Das 08:00 às 10:59

No comando: Alô Bom Dia

Das 08:00 às 11:59

No comando: Programa Expresso

Das 11:00 às 12:59

No comando: Tá Ligado!

Das 12:00 às 15:59

No comando: Sábadaço

Das 13:00 às 18:59

No comando: Show da Tarde

Das 16:00 às 17:59

No comando: Mensagem de Fé

Das 18:00 às 18:10

No comando: Sertanejão 103

Das 18:11 às 18:59

No comando: A Voz do Brasil

Das 19:00 às 19:59

No comando: Parada 103

Das 20:00 às 20:59

No comando: Programação Musical

Das 20:00 às 21:59

No comando: Birds Night

Das 20:00 às 22:59

No comando: Planet Parede

Das 21:00 às 21:59

No comando: Classe A

Das 22:00 às 22:59

No comando: Flash Night

Das 23:00 às 23:59

No comando: Programa Luis Alberto

Das 23:00 às 23:59

Abusos na infância podem deixar marcas no DNA, diz estudo

Abusos na infância podem deixar marcas no DNA da vítima.

Um estudo feito pelas universidades de British Columbia, no Canadá, e Harvard, nos Estados Unidos, revelou que os efeitos de abusos sexuais, físicos e emocionais vão muito além do trauma psicológico.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas avaliaram amostras de esperma de homens, já na idade adulta, que haviam sido abusados quando crianças.

Segundo os pesquisadores, foram encontradas diferenças consideráveis nas amostras de esperma que permitiam distinguir quem havia sido vítima e quem não tinha sofrido nenhum tipo de abuso na infância.

Uma das diferenças era a presença maior, no esperma das vítimas, do hormônio cortisol, mais conhecido como “hormônio do estresse”.

A liberação excessiva desse hormônio provoca alterações genéticas fora do padrão e pode afetar genes ligados à função cerebral e ao sistema imunológico.

Para os cientistas envolvidos no estudo, essas “cicatrizes moleculares” podem ser usadas no futuro para comprovar se uma criança sofreu ou não abuso em casos de investigações policiais e judiciais.

 

Fonte: rádio 2

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook